Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.
Home | Initiatives | Group IV - Crises, Public Policies, Fiscal Policy and the Euro

Group IV - Crises, Public Policies, Fiscal Policy and the Euro

How to Save a Sick World

Thinking the economy - ten books, ten fundamental debates - May 19 | Culturgest | 17h30

On the 5th of May, at 5:30 pm, the fourth conference of this cycle will take place, entitled "How to Save a Sick World".

This session will be attended by the book's author, Eduardo Paz Ferreira, and with comments from Ricardo Paes Mamede and Manuel Castelo-Branco.

Free registration by sending an e-mail to: caixageraldepositos@cgd.pt.

 

About the session (PT)

No ano de 2001 e, na sequência, de vários outros livros de reflexão sobre o estado da economia da sociedade e as suas perspectivas de futuro, escrevi Como Salvar um Mundo Doente, procurando responder ao apelo do Papa Francisco que denunciara a fisionomia de um mundo doente não só por causa do vírus, mas também no meio ambiente, nos processos económicos e políticos, e mais ainda nos relacionamentos humanos.

No tempo, entretanto, decorrido, a pandemia COVID 19 enfraqueceu e perdeu a sua centralidade mas, tal como se previa no livro, novas catástrofes surgiram rapidamente, com natural relevo para a invasão da Ucrânia pela Rússia, enquanto os problemas sociais, com relevo para a desigualdade e para as migrações se agravavam.

Independentemente da gravíssima questão da Ucrânia, continuam a fazer sentido as soluções que aponto no livro e que passam pelo insubstituível papel do Estado, bem patente nas respostas sanitárias e sociais destinadas a assegurar a prestação dos adequados cuidados aos doentes e apoios a empresas e trabalhadores em dificuldades.

Os cuidados com os idosos institucionalizados constituem outra prioridade que só com apoio do Estado é possível garantir em regime de universalidade. Os meios da escola pública, a criação de condições que inviabilizem quebras graves nas aprendizagens. A saúde, em geral e, em particular a saúde mental, que carecia já de uma atenção dedicada, face aos indicadores nacionais, a exigir agora um reforço de atenção, em decorrência dos efeitos da pandemia. A melhoria das condições de habitação e de trabalho, dignificando-as.

O reforço do Estado prefigura-se como uma inevitabilidade, se queremos ter sociedades capacitadas para responder a esta e outras emergências. E o esbater das desigualdades, com a possibilidade de uma vida mais digna para todos, perfila-se hoje como um interesse comum, ainda que alimentado por motivos egoístas. A pandemia trouxe à luz os riscos de propagação de doenças associados a más condições de habitabilidade ou de trabalho... 

É, no entanto, prematura qualquer previsão quanto às alterações que ocorrerão nas nossas sociedades, com influência no nosso modelo de vida em comum. Devemos ter uma consciência aguda de que, sendo esta uma oportunidade de mudança positiva, devemos agir para favorecer a sua concretização, já que a par de quantos quererão essa mudança, continuarão a perfilar-se os que estão dispostos a tudo para defender interesses egoístas, ainda que à custa de sacrifícios e da vida dos demais. A nova sociedade a constituir, idealmente, não deve assentar num confronto permanente entre público e privado, mas antes num trabalho comum que aproveite aquilo que cada um sabe fazer melhor.

É cada vez mais importante debater aprofundadamente estas questões e, por isso, inseri no ciclo pensar economia, organizado pelo IDEFF da Faculdade de Direito de Lisboa e pela Caixa Geral de Depósitos, o debate desse livro, que será apreciado por Ricardo Paes Mamede e Manuel Castelo Branco que gentilmente acederam ao meu pedido.

Ricardo Paes Mamede é um dos mais importantes economistas portugueses e dos mais inteligentes observadores sociais, políticos e económicos. Manuel Castelo Branco é um humanista, profundamente empenhado nas causas cívicas. Foi presidente da Business School of Coimbra.

Seria um grande privilégio se me desse o prazer de participar na sessão que se realiza na CULTURGEST, pelas 17 e 30, do próximo dia 19 do corrente.

Download PDF